Genere de Marinhos

This topic is classified in rooms: Famílias | Pessoas

Genere de Marinhos

#53499 | Alves dos Santos | 11 dic 2003 10:54

Caros Senhores (as),

Estou a pesquisar um ramo familiar em Caminha que tem apelido Marinho. Ao pesquisar as Inquiricoes de Genere do Adb, encontrei dois processos que pelo nome dos pais parecem corresponder a links familiares . Ao questionar o ADB descobri que o custo das copias e envio para a Belgica ascende a cerca de 100 Euros. Como nao sei se de facto a informacao contida e a que procuro, considero um preco muito alto.
Gostaria pois de apelar aos membros do Forum que tenham estudado os Marinhos, para saber se alguem ja copiou estes processos e, dessa forma me possa ceder copias a um preco mais compativel...

Nome: Antonio Marinho
Filho de: Pedro Marinho
e de: Joana Pereira
Processo de: 1732/10/19
Freg. N. S. Assuncao de Caminha
Proc. 6531; Pasta 291

Nome: Francisco Pereira Marinho
Filho de: Francisco Marinho
e de: Maria Pereira
Processo de: 1707/08/17
Freg. N. S. Assuncao de Caminha
Proc. 21459; Pasta 949


Desde ja os meus agradecimento,

fa608677arrobaskynetpontobe

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#53531 | abivar | 11 dic 2003 16:49 | In reply to: #53499

Caro Confrade:

Sugiro-lhe que faça uma busca por tópicos com a palavra "Marinho" (no singular aparecem-lhe mais tópicos); se ainda não os conhece verá como a generosidade de alguns confrades pôs à nossa disposição um enorme manancial de dados acerca desta família.

Com os melhores cumprimentos,

António Bivar

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#53580 | Alves dos Santos | 12 dic 2003 12:41 | In reply to: #53531

Caro Antonio Bivar,

Agradeco-lhe a sugestao. De facto,ja tinha verificado o grande manacial de informacao ai disponivel, incluindo os relacionados com os Marinhos Falcoes.
A verdade e que ate agora nao me foi possivel establecer relacoes com a minha pesquisa e, os dados que colecionei ate agora, ainda nao abarcam as datas dos documentos disponibilizados no forum...
De qualquer forma, a sua intervencao, so vem confirmar a vitalidade desta pagina.

Respeitosamente

Alves dos Santos

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#53584 | mbp | 12 dic 2003 14:33 | In reply to: #53499

Caro Alves dos Santos

Se estiver interessado posso-lhe ver no ADB quem são estes Marinhos.Também me interesso por esta família em especial o ramo Marinho de Eça.

Cumprimentos

Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#53585 | Jurema | 12 dic 2003 14:54 | In reply to: #53584

Caro amigo Miguel,

Sempre estendendo a mão amiga, no auxilio dos amigos aprendizes "pesquisadores", heim ?!!!
Vc só tem a receber sempre mais com esta grande atitude.

PARABÉNS.

Jurema (Brasil)

Reply

Direct link:

Os Marinho da Galiza

#53685 | Txispa | 14 dic 2003 07:56 | In reply to: #53499

DO AUTOR: José Ramón Insua Trava


Los Mariño proceden de la Isla de Sálvora, sita en la Ría de Arousa.

Levantaron otras casa secundarias como la de San Cristóbal de Briallos, la que en Mugardos se conoce como Casa del Ratón, la de San Roque, la de Redondela, la de Rianxo, etc. Nos ocuparemos de los descendientes de los Trava.

Hijo de D. Fernando de Trava y Doña Sancha Gonz lez de Lara fue D. Juan Frolaz Mariño que vivía en Noia. Tuvo por hijos a PEDRO EANS MARIÑO, Martín y Juan Eáns Mariño, PAIO MARIÑO, Osorio y Gonzalo Eáns Mariño, Doña Sancha y Doña Arina Eáns Mariño.

D. Pedro Eáns Mariño se casó dos veces, con señoras gallegas no menos nobles. Primero con Doña Sancha Vázquez Sarraza, teniendo por hijos a Juan Mariño, Pedro Suárez, Lorenzo Rodríguez, Elvira Annez y VASCO PEREZ MARIÑO, y después con Doña Teresa Pérez Mourón, sin descendencia.

Fue hombre rico que guardaba sus monedas en ollas. Ya era mayor de edad en el año 1220. Su padre le dejó gruesa hacienda en tierras y ganados, así como dineros y créditos. También heredó de su hermano Osorio las haciendas de Espinaredo, Darela, Queiría, Lantaño, Rabaeda y Baltar.

D. Pedro es también uno de los trovadores del Cancionero de la Vaticana.

FERNANDO IV Y NO SANCHO IV, DONA A PAIO MARIÑO y no a Martín Mariño, entre otras propiedades, Fisterra y Duio que Paio vende a su hermano Pedro en el año 1.300, compra que fue confirmada por Fernando IV en Sevilla a dos de febrero del mil trescientos diez.

Su hijo Vasco Pérez Mariño, fisterrán, fue nombrado obispo de Ourense a cuya ciudad, según la tradición, le regaló el SANTO CRISTO DE FISTERRA. Pero los pueblos no se dejan arrebatar facilmente sus im genes por cuya razón, donó a dicha Villa la imagen de su actual Cristo.

D. Vasco hizo testamento en el 1.342 dejando Santa María de Fisterra y San Vicente de Duio a sus parientes clérigos hasta el séptimo grado de parentesco, luego pasarían al Cabildo de Ourense. Deseo que no se cumplió.

Año 1.380. Renuncia que el CANONIGO Vasco Pérez Mariño hace en favor del Cabildo de la Catedral de Ourense de los cotos de Fisterra y Duio a cuya posesión tenía derecho durante su vida.



ORIGINAL INÉDITO
Sepan cuantos esta carta vean como yo Vasco Pérez Mariño, canónigo de la Iglesia de Ourense e hijo de Juan Mariño y de Doña Teresa Pelaez, considerando yo, igual que Don Vasco Pérez Mariño (OBISPO que fue de Ourense y hermano de mi padre Juan Mariño) el cual Obispo mandó en su testamento que a la muerte de D. Pedro Suarez, hermano suyo y de n que fue de Ourense, y de D. Lorenzo Rodríguez, de n que fue de Ourense, y también a mi muerte, pasase al Cabildo de dicha Iglesia de Ourense su lugar y coto de Fisterra y su lugar y coto de Duio ubicados en el arzobispado de Santiago.

Considerando yo como vos el De n y hombres buenos de dicho Cabildo gastásteis por mi y en mi nombre muchos maravedís de vuestra mesa en pleitear con Paio Mariño y con su mujer Doña Sancha, mi hermana, y su hijo Ruy Soga que me tenían tomados los dichos cotos y lugares con otros muchos bienes y lugares que recuperé por sentencia definitiva. Considerando que después de la muerte del Obispo, los dichos DEANES y luego Paio Mariño nunca pagaron el dinero que dicho Sr. Obispo, mi tio, mandó pagar a su muerte al Cabildo cada año para celebrar sus aniversarios con las rentas de Fisterra y Duio según consta en su testamento.

Yo no tengo para pagaros los atrasos que suben a 30.000 maravedís de los blancos ni tengo para pagaros las costas del pleito que el Cabildo tuvo por mi con Paio Mariño que montan 12.000 maravedís de dinero blanco.

Por esto y también por cumplir la voluntad del dicho Señor Obispo D. Vasco Pérez Mariño, mi tio, que mandó que DESPUES DE MI MUERTE LOS DICHOS LUGARES Y COTOS pasasen al Cabildo de Ourense.

Yo por mi propia voluntad por esta presente carta OTORGO Y HAGO DONACION PARA SIEMPRE AL CABILDO DE OURENSE DE LOS DICHOS LUGARES Y COTOS DE FISTERRA Y DUIO según los tenía el dicho Sr. Obispo D. Vasco. Y por esta carta vos entrego la posesión de dichos lugares y de todos los otros derechos que me pertenecen.

El canónigo de Ourense Vasco Pérez Mariño había encargado a su cuñado Paio Mariño de Lobeira esposo de Doña Sancha Mariño, hermana del canónigo, que le recaudase las rentas de Fisterra y Duio pero D. Paio se quedaba con ellas. Y no debían ser pequeñas pues en la zona se hizo famosa la frase: Hai que pagar ata a camisa de Dona Sancha.

Paio Mariño de Lobeira y su esposa Sancha Mariño no solo se quedaban con las rentas que le pertenecían al canónigo Vasco Pérez Mariño sinó que según un escrito inédito publicado por D. José Barreiro Barral, vendieron al arzobispo de Santiago D. Juan García Manrique todas sus posesiones incluyendo Fisterra y Duio en el año de 1366 reinando en Castilla Juan I.

Como esta compra-venta no llegó a tener carácter legal, en el año de 1384, se realizó la escritura de cambio de la villa de Fisterra y coto de Duio, propiedades de la Iglesia de Ourense por donación del canónigo Vasco Pérez Mariño, por ciertas propiedades que tenía la Iglesia de Santiago en la Diocesis de Ourense, olvid ndose los fisterráns de la camisa de Doña Sancha. Los Mariños entroncaron con los Aballe, Torrado, Ouviña, Aldao, Figueroa, Pimentel y Lobeira y Saavedra.

Los Mariño de Lobeira tuvieron casa en Pontevedra, en Santa María de Outes, en la villa de Negreira, etc. Marquesado de Mariño: Fue concedido por Felipe V, por R.D. de 17 de diciembre de 1.705 a Antonio Mariño de Lobeira y Andrade, Lemos y Sotomaior, teniente general de los Reales Ejércitos, mestre de Campo de un tercio de Infantería en Flandes y Caballero de la Orden de Santiago.


COM O MELHORES CUMPRIMENTOS GALAICOS-PORTUGUESES.

UMA SAUDINHA DESDE GALIZA

Celso Milleiro, de Pontevedra (Galiza)

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#53748 | mbp | 14 dic 2003 19:36 | In reply to: #53685

Caro Celso

E foi de um destes Marinhos, João Marinho de Lobera ( de Baiona ?)e de D. Maria de Eça que nasceu Gregório Marinho de Eça da casa do Paço em S. Tomé de Negrelos.
Obrigado pelas informações.

Um abraço galaico-português

Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#54763 | Alves dos Santos | 05 gen 2004 17:25 | In reply to: #53748

Caros amigos,

A todos os que responderam a minha questao sobre os Marinhos o meu muito obrigado e, desde já, um pedido de desculpas pelo tempo que demorei a responder.
Relativamente a disponibilidade demonstrada pelo Sr. Miguel Pimenta, caso não lhe cause demasiado incomodo, estou interessado em todos os dados genealogico-biograficos que se encontrem no seguinte processo:

Nome: Antonio Marinho
Filho de: Pedro Marinho
e de: Joana Pereira
Processo de: 1732/10/19
Freg. N. S. Assuncao de Caminha
Proc. 6531; Pasta 291

De facto, tenho um casamento em Fevereiro de 1715 entre um Pedro Filipe Marinho Falcão (de Belbia - Tuy)- filho de João Marinho e Pascoa Domingues - com uma Joana Pereira.
Estes dados são muito semelhantes aos do processo referido pelo que agradecia qualquer informação adicional.
Caso não considere abusivo, gostaria ainda de obter copias de toda ainformacao util constante nos processos:
Proc n.5107, arquivado na Pasta n.230 relativo a João Luis Lourenço Loução.
Proc. N. 12225, arquivado na pasta nº 544 relativo a António José Lourenço.
Em baixo encontra o meu Email para que possa informar-me de todos os gastos que venha a ter, de forma a que o possa ressarcir desses custos.

Email: fa608677arrobaskynetpontobe

Respeitosamente

Alves dos Santos

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#54886 | Alves dos Santos | 07 gen 2004 14:25 | In reply to: #54763

Caros amigos,
Relativamente aos Marinhos, gostaria de partilhar convosco uma lenda associada a esta familia e que não deixa de ser curiosa, como explicação do nome:
Na Galiza, consta que a origem do apelido Mariño (Marinho) se deve, nomeadamente aos oriundos de Vilaxoán, a descendentes de relações entre tritões com mulheres e de homens com nereidas.
Antonio de Torquemada , que viveu em Mondoñedo, assegura a existência de tritões dizendo: “común opinión que se tiene en el reino de Galicia y es que allí hay un linaje de hombres que llaman los marinos, los cuales se dice y afirma por cosa muy cierta, y ellos no lo niegan, que descienden de uno de estos tritones”.
Conta a lenda que certo dia passeava uma cavaleiro ao longo da praia, recoberto com a sua armadura de guerra quando, subitamente, caiu do cavalo e resvalou para a água. Apesar de saber nadar, o peso da armadura inevitavelmente iria arrastar o cavaleiro para o fundo, condenando-o à morte. Eis quando, surgida do nada, aparece uma nereida que o resgatou, puxando-o para a praia.
Enquanto retirava o elmo da cabeça do cavaleiro, achou-o belo e bem constituido, pelo que se apaixonou por ele.
A relação entre estes dois personagens foi longa, já que deste amor nasceram quatro filhos. O cavaleiro, quando as crianças cresceram, pediu à sua companheira que o autorizasse a leva-los para terra para as educar nas regras da cavalaria.
A contragosto, a nereida aceitou exigindo como contrapartida que de cada geração que nascesse dessas crianças, ela ficaria com um varão, aquele que tivesse olhos azuis e escamas nas pernas. O cavaleiro aceitou essa condição acreditando que o mesmo era um capricho impossivel de se concretizar. Mas a verdade foi que, geração após geração, nasceram belas crianças que, efectivamente, tinham olhos azuis e, nas pernas, umas escamas bem visiveis, de tal forma que eram visiveis mesmo debaixo da cota de malha que os mesmos usavam nos torneios.
Desta forma, os Mariño, perdiam sempre um dos seus filhos, pelo que proibiam aos seus descendentes toda e qualquer ligação ao mar. No entanto apesar de proibidos exercer qualquer profissão com ligação ao oceano, apesar de advertidos dos perigos do mar, os rapazes de olhos azuis e escamas, mais cedo ou mais tarde, com motivo ou sem ele, viajavam até à costa, onde acabavam por desaparecer sem deixar rasto.

Respeitosamente

Alves dos Santos

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#55037 | mbp | 09 gen 2004 11:38 | In reply to: #53499

Caro Alves dos Santos

Visitei o ADB e consegui os seguintes dados.
1-António Marinho, filho de Pedro Marinho e de Joana Pereira da vila de Caminha tinha como avós paternos João Marinho e Pascoa Domingues da freguesia de S. Cristina de Valeixa do Reino da Galiza e Bispado de Tui e tinha como avós maternos,o Padre Ignacio Pereira a exercer na cidade de Tui mas natural de S. Bartolomeu das Eiras e Juliana Paz. Consegui ainda apurar que Juliana Paz era filha de Francisco Paz e de Maria Gonzalez (?).
Infelizmente o processo não tinha cópias de registos de casamento ou baptismo.
2- Francisco Pereira Marinho, filho de Francisco Marinho e de Maria Pereira era neto paterno de Domingos Gonçalves e Marinha Antónia naturais da freguesia do Couto de S. Miguel da Tulha (?)e materno de Alexandre Pereira natural de S. Lourenço de Touvedo (Ponte da Barca)e de Maria Rodrigues natural de N.ª S.ª da Assunção da vila de Caminha.
Também este processo não tinha quaisquer registos de casamento ou óbito.

Cumprimentos

Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#55041 | joseantonioreis | 09 gen 2004 13:05 | In reply to: #53748

Caro Miguel,

Acha que Madalena Marinha de Eça, filha de João da Costa e de Madalena Marinha de Eça, que casou em Roriz a 4.5.1696 com Manuel da Silva Barbosa, será descendente destes da casa do Paço?
Um grande abraço

José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#55049 | Alves dos Santos | 09 gen 2004 14:20 | In reply to: #55037

Caro Miguel Brandão Pimenta,

Desde já o meu muito obrigado pelas preciosas informações que obteve. Pelo menos no primeiro caso, consegui provar a ligação a familia da minha esposa, já que os dados que possuia dos Registos de Nascimento tinham que Margarida Pereira (irmã do António Marinho da Inquirição) era filha de Pedro Filipe Marinho Falcão e Joana Pereira (casados em 20 Fevereiro de 1715).

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#55051 | Alves dos Santos | 09 gen 2004 14:26 | In reply to: #55037

Caro Miguel Pimenta,

Peço-lhe desculpa, mas na mensagem precedente pressionei a tecla errada pelo que foi para o forum antes de terminada...
Um dados mais completo refere-se a Joana Pereira, cuja mãe seria de facto Juliana Paz e o pai Dom Inácio Serpes Pereira.
Agradeço-lhe toda a disponibilidade demonstrada e caso possua antepassados da zona de Caminha ou sul de Ponte de Lima, não hesite em contactar-me. Terei muito gosto em partilhar qualquer informação comum.

Respeitosamente

Alves dos Santos

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#55055 | mbp | 09 gen 2004 14:58 | In reply to: #55041

Caro José António

A Casa do Paço foi adquirida em 1574 por Gregório Marinho de Eça filho de João Marinho de Lobera e de D. Maria de Eça por partilhas com seu primo da casa de Cavaleiros, Estevão Ferreira de Eça.Gregório deve ter aí vivido, passando a casa ao filho, João Marinho de Eça.Sei que este João Marinho de Eça vivia na dita casa em 1606 com uma tal Antónia Cardosa, doando-a posteriormente aos primos Ferreira de Eça.
João Marinho de Eça casou (não tenho aqui os dados)mas não teve descendência.Diz o Felgueiras ou o Alão que teve uma ou duas amantes (talvez esta Antónia Cardosa) e que teve filhos que se espalharam pela região.Os filhos estão identificados.Dada a proximidade da região e das datas é bem provavel que Madalena Marinho de Eça tenha a ver com a casa do Paço.É uma questão a averiguar.Aliás o nome Madalena aparece nesta família com certa regularidade.No meu ramo encontrei já uma Madalena Ferreira de Eça (eram parentes muito chegados)a nascer em 1610 precisamente em Negrelos e numa casa distanciada do Paço cerca de 300 metros.Tentarei averiguar a descendência de João Marinho de Eça, já que o seu irmão Pedro morreu em 1606 sem deixar filhos.

Um abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#55056 | mbp | 09 gen 2004 15:24 | In reply to: #55041

Caro José António

Ainda a propósito dos Marinho de Eça,acrescento que se conseguir a ligação de Madalena a Gregório Marinho de Eça tem a genealogia feita até á casa de Cavaleiros e depois até D.João filho de D. Pedro e de D. Inez de Castro.

Um abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#55099 | joseantonioreis | 10 gen 2004 12:46 | In reply to: #55056

Meu caro Miguel,

Muito obrigado pelas suas informações sempre claras e fiáveis.
Vou então ver se chego lá.
Um abraço
José António

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#55116 | mbp | 10 gen 2004 17:11 | In reply to: #55099

Caro José António
Acabei de dar uma vista de olhos na Pedatura. Na pág. 72 do vol.1ºnos Bacelares, fala de Gregório Marinho de Eça e dos seus filhos.
Alão de Moraes só fala de filhos naturais não mencionando Madalena.A primeira Madalena por si referida deve ter nascido por volta de 1540-1545. Não devia ser filha de João Marinho de Eça que vivia no Paço no início do século.E também não era filha de Pedro Marinho de Eça, falecido em Negrelos após o casamento(1606).Mas Gregório Marinho de Eça teve mais filhos e portanto Madalena bem podia ser sua neta.Só revendo o Misto 1 de Negrelos ou consultando os paroquiais de Vila do Conde ou do Outeiro Alto dado que alguns membros da família nasceram por ali.
Um abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#63312 | mbp | 23 apr 2004 18:06 | In reply to: #55099

Caro José António

Boas noticias! A sua Madalena Marinho de Eça casou em S. Tomé de Negrelos com João da Costa. Era filha de Francisco Marinho (de Eça). Se consultar o Alão vai encontrar, em Negrelos, um Francisco Marinho, filho (ou neto) de Gregório Marinho de Eça da casa do Paço. Mas pelas datas (não tenho aqui comigo os dados),é quase certo que era filho de Gregório e portanto irmão de Pedro (falecido em Negrelos em 1606) e de João que ali viveu pelo menos até aos primeiros anos da década de quarenta. Os dados do Alão são de confiar porque batem certos com os registos paroquiais. Enviar-lhe-ei os dados logo que possa.

Um abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#63340 | joseantonioreis | 24 apr 2004 01:40 | In reply to: #63312

Meu caro Miguel,

Muito obrigado pela sua ajuda, sempre certa e amiga.
Bem haja!
Um abraço
José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#63387 | mbp | 25 apr 2004 01:16 | In reply to: #63340

Caro José António

Madalena Marinho de Eça casou com João da Costa a 2 de Dezembro de 1655. Era filha de Francisco Marinho (de Eça) e de Maria de Macedo. Pode consultar no ADP PSTS 30 Lv2 f. 4 (S. Tomé de Negrelos). Os filhos devem ter nascido aqui.
Pelas datas e depois de voltar a ver os meus apontamentos penso que Madalena era afinal neta de Gregório Marinho de Eça e filha de João Marinho de Eça da casa do Paço. Com um pouquinho de paciência deve ser relativamente simples de comprovar.

Um abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#73588 | mbp | 21 set 2004 21:48 | In reply to: #63340

Caro José António

Aí vai um dado que talvez lhe interesse. A referência da escritura de dote e de casamento de D. Maria de Eça e de João Marinho "fidalgo da Villa de Bayona" com data de 19 de Dezembro de 1540. Está no Arquivo Alfredo Pimenta em Guimarães no Tombo dos Morgados do Carvalho (A-9-3-146). Foi assinada em Vila do Conde e estiveram presentes "Donna Catharina Pereira fidalga filha que foi de Estevão Ferreira" e António Pereira "fidalgo assistente na quintãa de Cavaleiros"casado com Dona Joana Ferreira de Eça. Este António Pereira nasceu em Cerveira era filho de Martim Pereira e de D. ana Vasques, neto de Lopo Roiz Cerveira e bisneto de Rui Lopes Cerveira 1º alcaide de Vila Nova de Cerveira.
No mínimo fica com uma ideia aproximada da data do casamento dos iniciadores do ramo Marinho de Eça que deve ter acontecido em 1541.
Um abraço
Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#73907 | joseantonioreis | 25 set 2004 02:48 | In reply to: #73588

Caríssimo Miguel,

Muito obrigado!
Grande informação!

Um abraço
José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#74280 | susana_marinho | 30 set 2004 20:50 | In reply to: #53499

Caro Alves dos Santos,
o meu nome é Susana Marinho Martins e pertenço a um ramo da família Marinho proveniente de Ponte de Lima. Infelizmente ao longo dos anos a família perdeu alguns contactos contudo, eu e alguns familiares próximos tentamos "juntar" novamente a família. Peço-lhe portanto que me informe acerca da proveniência da sua família pois actualmente a minha família reside em Vila Nova de Cerveira e talvez as nossas famílias sejam bastante próximas. Se desejar um contacto mais fácil o meu e-mail é susana_marinho@iol.pt
Desde já agradeço a disponibilidade.
Susana Marinho

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#74436 | falconete | 03 ott 2004 22:49 | In reply to: #74280

Cara Susana,
O seu avô materno, João de Castro Correia Marinho, que eu conheci, era primo co-irmão de meu avô Aníbal de Jesus Varela Marinho, que era fidalgo de Cota de Armas, ambos naturais de Ponte de Lima.
O seu avô era irmão de Manuel de Castro Correia Marinho, fidalgo de cota de Armas por Àlvara do Conselho de Nobreza de 31-8-1989, (escudo esquartelado:Marinho, Falcão, Antas Bacelar).
Outro irmão de seu avô José Luis Correia Marinho, era casado com D.Laura Emília Pereira Dias de Oiliveira Carvalho, filha do 1.º Viscode de Fraião, Francisco Manuel Maria de Oliveira Carvalho.
O seu bisavó era Gonçalo Correia Marinho, da Casa de Merim em Ponte de Lima, e tio de meu avô. Era casado com D. Maria Cândida Pereira de Castro, filha de Tomás António Pereira de Castro, Sr. da Casa Grande em St.ª Comba, Ponte de Lima e de D. Isabel Maria de Antas Bacelar e Barbosa, da Casa de Vermoím em Castanheira Paredes de Coura.
Os nomes de alguns destes seus familiares encontram-se no Arquivo deste fórum.
O Boletim de Estudios de Genealogia Heráldica Y Nobiliaria de Galicia, publicou um estudo intitulado « As Últimas Gerações da Casa de Antas em Rubiães, da Casa do Outeiro em Agualonga, e da Casa de Vermoim em Castanheira, Paredes de Coura - Portugal », onde já aparece o seu nome incluído.
O autor sou eu.
Se precisar de algumas informações peça ao Fórum o meu e-mail, estarei disponível para a auxiliar no que for preciso.
Do nosso ramo de Marinhos tenho muita coisa, poia há mais de 20 anos que o investigo. Oportunamente irei publicar um trabalho intutulado «Marinhos Falcões de Ponte de Lima, subsídios Genealógicos.

José Aníbal Marinho Gomes

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#74465 | Aqua | 04 ott 2004 15:17 | In reply to: #55037

Caro Miguel Brandão Pimenta,

Só hoje abri este tópico, e verifiquei que talvez tenha uma informação que interesse ao tema. Penso que o Couto de S. Miguel da Tulha, mais não é do que São Miguel da Apúlia, freguesia do litoral norte de Portugal, pois tenho encontrado assentos que se referem a esta freguesia como "Sam Miguel da Pulha". É uma pista que penso que vale a pena ser seguida.

Cumprimentos
Rosário Figueiredo

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#74466 | victória | 04 ott 2004 15:38 | In reply to: #74436

Caro José A. MArinho Gomes

Tem alguma informação sobre Marinhos-Falcões, da freguesia de Sago, em Monção, provavelmente descendentes dos já tratados Marinhos, aqui em outros tópicos? Desde já grato pela atenção prestada.

Com os melhores cumprimentos
Eduardo Domingues

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#85393 | joseantonioreis | 01 mar 2005 00:51 | In reply to: #73588

Caro Miguel,

Aos 31 dias do mês de Março da era de 1625 anos, recebeu o abade António da Mota a João Marinho Dessa, por procuração, com Dona Maria de Queirós, filha de Mº de Queirós e de sua mulher Isabel Vieira e João Marinho Dessa , fidalgo da casa de sua magestade filho de Gregório Marinho Dessa e de sua mulher D. Francisca
Procurador foi Duarte Carneiro, morador na sua Quinta da quintã em Soalhães, tio da noiva
Soalhães m-1, fl,111v, 112, 112v, 115,115v e 116

Um abraço
José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#85759 | mbp | 07 mar 2005 22:19 | In reply to: #85393

Caro José António

Pelos vistos este foi o segundo casamento de João Marinho de Eça. Vem mencionado no Alão de Moraes, precisamente com Dona Maria de Queirós. Onde fica a freguesia de Soalhães?

Um grande abraço

Miguel

Reply

Direct link:

RE: Os Marinho da Galiza

#85760 | Marco | 07 mar 2005 22:32 | In reply to: #85759

Caro Miguel,

Fica no Marco de Canaveses

Um abraço
José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#86253 | IZA LUSO BARBOSA | 15 mar 2005 19:34 | In reply to: #53499

Caros Confrades:

Meu antepassado Manuel Barbosa, nascido cerca de 1670, era filho de Isabel Lopes solteira e do Reverendo Gaspar Barbosa Marinho, da Colegiada de Santo Estevão de Valença, lugar que acumulava com o de Abade simples de S. Pedro da Torre.
Dado que não consigo abrir as Inquirições de Génere do ADB e que são muito conhecedores de Marinhos gostaria de solicitar ajuda para conhecer os seus antepassados.
Iza Barbosa

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#86261 | Marco | 15 mar 2005 22:28 | In reply to: #86253

Carísima Iza Barbosa,

Preciso de lhe falar sobre um assunto relacionado com o Ateneu, será possivel enviar-me um email?
joseantonioreis@netcabo.pt
Obrigado!
---------------------------------------------------------------------------------------------

Gaspar Marinho
1691-09-10
PONTE LIMA-SANTA MARIA ANJOS PONTE LIMA VIANA CASTELO
Pais
Lourenco Pereira Tavora e Mecia Pereira
Irmãos
Bento Malheiro Pereira
Joao Malheiro Pereira
----------------------------------------------------------------------------------------------

José António Reis

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#94865 | flordealecrim | 01 lug 2005 16:29 | In reply to: #86253

Caros Confrades

Procuro antepassados de Nome Marinho, mais concretamente Cândida Adelaide Linhares Marinho Ayala, filha de Rita Emília Marino Ayala e de Jóse Maria Alves Linhares, penso que de Vila Nova de Cerveira.

Agradeço antecipadamente

Isabel

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#94911 | Samuel C O Castro | 01 lug 2005 23:28 | In reply to: #74436

Estimado José Anibal

Por acaso tens a ascendência do Tomás AntônioPereira de Castro, Sr. da Casa Grande em Santa Comba ? Aqui no Genea não retroage.
Estou solicitando seu contato, pois gostaria de lhe enviar o anexo de pendências que me refiro no meu tópico sobre os Castros.
Antecipo agradecimentos. Um abraço.

Samuel de Castro

Reply

Direct link:

Juan Mariño, hidalgo en Bayona

#139646 | Eduardo Albuquerque | 08 gen 2007 22:21 | In reply to: #53748

Caros Confrades,

Aqui fica esta breve nota:

Século XVI 1.ª ½

« Sobre el pago de tres naos encargadas por el Rey de Portugal a Juan Mariño, hidalgo de la Cámara del Emperador en Bayona, y por orden del Rey Fueron terminadas en Portugal, siendo destinadas al servicio de las Indias, y cuyos derechos revierten en la viuda de Juan Mariño, Maria Deza, y en su hijo Gregorio Deza Marinho.»

Excerto tirado do II volume do “I.º Colóquio Galiaco-Minhoto”, concretamente, dos “Documentos sobre Portugal en la Fundacion Penzon, (Vigo)” de Olga Gallego Dominguez e de Pedro López Gomés.

Com os meus melhores cumprimentos,

Eduardo Albuquerque

Reply

Direct link:

RE: Juan Mariño, hidalgo en Bayona

#139671 | mbp | 09 gen 2007 10:12 | In reply to: #139646

Caro Eduardo Albuquerque

Muito obrigado pela nota enviada. Sem querer aborrecer, sabe dizer-me onde poderei consultar este Iº Colóquio? É que para mim este dado vem mesmo a calhar.

Cumprimentos do

Miguel Brandão Pimenta

Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

Donación de Juan Mariño Deza

#139683 | Eduardo Albuquerque | 09 gen 2007 11:40 | In reply to: #139671

Caro Miguel Brandão Pimenta,

É com muito prazer que lhe indico que o exemplar que possuo o adquiri, há já alguns anos, no Arquivo Distrital de Braga.

Em complemento, aqui ficam mais estas notas:

1633

« Donación de Juan Mariño Deza, Fidalgo, vecino de Santo Tomé de Negrellos, jurisdicción de Porto, a favor de su hijo Juan Mariño Deza. Ante Antonio Correa Pellote. »

Excerto tirado do II volume do “I.º Colóquio Galiaco-Minhoto”, concretamente, dos “Documentos sobre Portugal en la Fundacion Penzon, (Vigo)” de Olga Gallego Dominguez e de Pedro López Gomés.

Com os meus melhores cumprimentos,

Eduardo Albuquerque

Reply

Direct link:

RE: Donación de Juan Mariño Deza

#139696 | mbp | 09 gen 2007 13:26 | In reply to: #139683

Caro Eduardo Albuquerque
Aí está, para mim, mais um dado interessante, que aliás desconhecia. Mais uma vez os meus agradecimentos.

Cumprimentos do
Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

Mayorazgo fundado por Juan Mariño Deza

#139700 | Eduardo Albuquerque | 09 gen 2007 14:14 | In reply to: #139696

Caro Miguel Brandão Pimenta,

Em aditamento à mensagem anterior:

1636

Mayorazgo fundado por Juan Mariño Deza

« Información testifical sobre los bienes de dicho mayorazgo existentes en Portugal, para el pleito contra Fernando de Amorin y consortes. Ate Paulo de Barros d’ Azevedo, notario de Guimarães.»

Excerto tirado do II volume do “I.º Colóquio Galaico-Minhoto”, concretamente, dos “Documentos sobre Portugal en la Fundacion Penzon, (Vigo)” de Olga Gallego Dominguez e de Pedro López Gomés.

Com os meus melhores cumprimentos,

Eduardo Albuquerque

Reply

Direct link:

Bienes de este mayorazgo en Portugal

#139798 | Eduardo Albuquerque | 10 gen 2007 14:51 | In reply to: #139696

Caro Miguel Brandão Pimenta,

Esta é a última referencia que encontrei nos “Documentos sobre Portugal...”:

1745

« Informe del doctor Fernando Soares de Novais Pallares sobre bienes de este mayorazgo en Portugal por no ajustarse la institución del mismo a las leyes portuguesas.»

Excerto tirado do II volume do “I.º Colóquio Galaico-Minhoto”, concretamente, dos “Documentos sobre Portugal en la Fundacion Penzon, (Vigo)” de Olga Gallego Dominguez e de Pedro López Gomés.

Com os meus melhores cumprimentos,

Eduardo Albuquerque

Reply

Direct link:

RE: Bienes de este mayorazgo en Portugal

#139819 | mbp | 10 gen 2007 18:58 | In reply to: #139798

Caro Eduardo Albuquerque

Mais uma vez muito obrigado por tudo. Caso necessite de alguma coisa estou à sua disposição.

Cumprimentos do
Miguel Brandão Pimenta

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#139976 | Gilson Nazareth | 12 gen 2007 00:52 | In reply to: #53499

Caros amigos,
Poderiam acrescentar algo a estes Saldanha Marinho?No caso Marinho por virem de Santa Marinha de Tropeço.
Domingos João de Saldanha n.Freg.NS Conceição de Rossas/Arouca,cerca 1623,casado Tropeço com Catarina João.
1-1-Mathias de Saldanha Marinho n.Tropeço c/1ºc/Maria Coelho e c/2ºc/Maria Tavares.
1ºmatrimonio:
...2-1-Manuel de Saldanha Marinho-Familiar do Santo Ofício.Proprietário e capitão de navui.Morador Bahia,casado.
...2-2-Gabriel de Saldanha Marinho´-capitão de navio com rota para o Brasil.Casado Campo Belo,Vila Nova de Gaya,com Maria da Silva Guedes.
......3-1-Manuel de Saldanha Marinho-capitão de navios com rota para o Brasil,depois mercador e comissário de fazendas no Recife.Casado Recife 1727,com Joana Batista Lisboa,n.Recife,filha do capitão de navios e depois trapicheiro João Batista Lisboa,n.Portugal,e Ana Maria de Oliveira n.Recife,
com descendência .Tenho o de genere dos filhos habilitados em Lisboa.São os antepassados do poeta revolucionário Natividade Saldanha e do Governador do Ceará Senador Saldanha Marinho.
......3-2-Domingos Saldanha,em 1698 morava em Miragaia c/c/ Ne...
.........4-1-Jeronimo de Saldanha Marinho,em 1689 era solteiro e morava em Miragaia.
SERIA ESTE:
Jeronimo de Saldanha Marinho,cav.fidalgo por alvará de 20-08-1718(TT/RGM Lº10/1718-D.João V),pai de:
.............5-1-Bartolomeu José de Saldanha Marinho-com carta de propriedade de ofício de 11-05-1765(TT/RGM Lº19/212-D.José I).
Seriam antepassados,ou parentes mais próximos, dos Saldanha Marinho emigrados para o Rio Grande do Sul no século XIX e dos atuais Carneiro de Saldanha Marinho existentes na região do Porto.

.........................
Alguém me ajuda?
Abraço
Gilson Nazareth

Reply

Direct link:

RE: Genere de Marinhos

#140332 | ptm | 15 gen 2007 18:20 | In reply to: #53580

Boa-tarde,
Num dos costados da minha árvore genealógica aparecem uns "Marinho", em Monção, sendo que um deles se chamava Bento Pereira Marinho "Falcão" (séc. XVII). Será que tem alguma relação com as suas pesquisas?
Fico a aguardar resposta.
Cumprimentos.
Pedro Teixeira de Morais

Reply

Direct link:

Forum messages ordered by date
Il tempo è mostrato in GMT
Ora corrente:17 nov 2018, 19:26.

Inviare un nuovo messaggio

Login warning message

Settings / Definiciones / Definições / Définitions / Definizioni / Definitionen