Nova imagemA publicação deste notável trabalho de Guilherme Maia de Loureiro - “Estratificação e Mobilidade Social no Antigo Regime em Portugal (1640-1820)” - constitui a primeira iniciativa com que pretendemos celebrar os 15 anos do Geneall, que se completam no próximo dia 6 de Setembro. Outras iniciativas se seguirão que iremos anunciando regularmente ao longo do período de um ano a contar daquela data.

O tema foi objecto da tese de doutoramento do Autor, cujo impacto na comunidade científica não surpreende quem, como nós, conhece bem o seu denso e probo trabalho como genealogista, responsável que é, além do mais, pelas investigações genealógicas que nos são encomendadas através do Geneall. A obra “Estratificação e Mobilidade Social no Antigo Regime em Portugal (1640-1820)” que resulta dessa tese e cuja publicação foi vivamente recomendada pelo júri por considerá-la, como refere o Prof. Doutor António de Sousa Lara no prefácio, como "um marco histórico na investigação científica, no domínio das Ciências Sociais", está adaptada para ser de grande utilidade para quem faz genealogia, mas também dá um prazer enorme ao ser lida por todos os que tratam destas matérias.

O estudo sobre a estratificação e mobilidade social é fundamental para a compreensão da História, da Sociologia e da Genealogia. É geralmente superficial a abordagem deste assunto no Antigo Regime, em Portugal. Até agora, quase todos os estudos se debruçaram sobre famílias ou grupos sociais específicos que vão alterando a sua referência social de origem. A obra de Guilherme Maia de Loureiro que agora apresentamos analisa pormenorizada e cientificamente o fenómeno que em Portugal se revelou um lento motor de progresso, num período deficientemente conhecido pelo excesso de rigidez dessa mesma mobilidade.

O interesse da obra reside também na descrição das categorias sociais da sociedade portuguesa do Antigo Regime. Com base nesta análise, o Autor propõe uma tabela de estratificação e um modelo de mobilidade com os respectivos critérios de transição entre estratos, que permitem compreender mais claramente os percursos de mobilidade social desse período. Para além das famílias, as instituições, associações e grupos profissionais são objecto deste trabalho que aprofunda o conhecimento do período. As conclusões a que o Autor chega, fruto de uma reflexão científica sobre o assunto, deverão ser tidas como padrão para os estudos genealógicos do Antigo Regime, subsequentes à sua publicação.

A “Estratificação e Mobilidade Social no Antigo Regime em Portugal (1640-1820)” estará a partir de hoje e até ao dia 5 de Setembro em subscrição pelo valor de 29 euros. O lançamento está agendado para a segunda quinzena de Setembro, sendo a partir dessa data de 38 euros o valor de venda nas livrarias.

26 Julho 2015