pranoticia

Quando, em Maio passado, anunciámos aqui os 100 anos de indexação dos casamentos em Lisboa - que entretanto já completámos até 1911 - referimos que a mesma equipa do Geneall se propunha abraçar novos desafios. Estava então já em marcha o que esta mesma equipa hoje apresenta: um novo e ambicioso projecto denominado “Nós Portugueses”.

Temos condições em Portugal, provavelmente únicas no mundo, para nos propormos fazer uma relação de todas as pessoas, através de fichas individuais com a informação relevante sobre cada uma, tanto quanto os registos existentes nos possibilitem obter. Para além de outras fontes primárias, os livros das igrejas que desde o Concilio de Trento (1546) registam todos os baptismos, casamentos e óbitos, permitem iniciar com segurança a construção deste trabalho que pretende registar todos os portugueses que aqui viveram ao longo de quatro séculos (1536-1911).

Estes registos paroquiais constituem um acervo que está bem conservado em Portugal, da Torre do Tombo aos arquivos distritais. Desde logo porque, ao contrário do que se passou no centro da Europa, não tivemos vicissitudes geradoras de destruição que tivessem o território nacional como palco. Salvo o terramoto de 1755, que destruiu irremediavelmente algumas igrejas paroquiais de Lisboa e os seus cartórios e, 50 anos mais tarde, as invasões francesas que afectaram sobretudo os distritos de Leiria e de Santarém, tudo o mais subsiste, regra geral, em bom estado de conservação. Acresce o facto de, comparativamente aos demais registos da Europa, a qualidade e riqueza da informação é, em Portugal, muito superior em termos de conteúdos, apenas se lhes podendo comparar os registos paroquiais da vizinha Espanha.

 “Nós Portugueses” é um projecto simultaneamente inovador e inédito em todo o mundo. Trata-se de uma obra monumental - que permitirá, com rigor científico, conhecer desde logo, a realidade da textura do país entre os séculos XVI e XX: as taxas de natalidade e de morte, os índices de fecundidade e de esperança de vida, a literacia e a estrutura profissional, as migrações internas, a origem e quantificação das imigrações de estrangeiros e suas nacionalidades, a toponímia, etc., etc. A importância deste trabalho reflectir-se-á em áreas diversas do conhecimento como a Sociologia, a Demografia, a Genealogia, a História Militar, a Antropologia, a Geografia, a História Local, a Toponímia, etc.

Constituímos um grupo de investigadores nas várias áreas em estudo que irá executar, supervisionar e acompanhar a evolução dos trabalhos. Acreditamos que a editora Guarda-Mor, com a experiência que todos lhe reconhecem ao longo dos já 16 anos de manutenção do Geneall, está em condições únicas para lançar mãos a esta obra e montar a logística indispensável para o êxito da tarefa. Irá fazê-lo em estreita colaboração com a Associação dos Amigos da Torre do Tombo e com a Direcção-Geral de Arquivos, entidade que tutela o Arquivo Nacional da Torre do Tombo e a quase totalidade dos Arquivos Distritais portugueses. Também esperamos contar com o interesse e o apoio dos Arquivos das Universidades de Braga e de Coimbra, de arquivos locais dispersos que albergam livros de registos paroquiais e bem assim, dos Arquivos das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.

Pretendemos envolver neste projecto autarquias, outras instituições públicas e da sociedade civil, que se disponham a colaborar e apoiar este nosso trabalho de indiscutível interesse nacional. E contamos também com a colaboração, voluntária e desinteressada, de quantos se disponham a disponibilizar os seus levantamentos próprios, sejam os já executados (que sabemos existirem), sejam os que, animados por este projecto, pretendam vir a realizar no futuro. No próprio site divulgaremos oportunamente as possíveis formas de colaboração.

Nós Portugueses estará livremente acessível a todos até ao próximo dia 30 de Setembro. A partir dessa data, passará a estar acessível apenas aos sócios da Associação dos Amigos da Torre do Tombo que tenham pago as suas quotas de 2016 e, naturalmente, a todos os que a partir de agora se inscrevam, o que poderão fazer a partir desta página. De acordo com os apoios que formos obtendo, nomeadamente das autarquias locais, iremos tornando progressivamente de livre acesso as regiões que forem patrocinadas.

Por agora, convidamos-vos apenas a conhecer esta obra que está a partir de hoje disponível na internet através da navegação de “Nós Portugueses”.

07 Setembro 2016